Sun Wukong VS Robot



A falta de tempo tem me afastado de alguns títulos grandes, felizmente tenho encontrado no meio indie jogos curtos que conseguem satisfazer a minha vontade de jogar. Quero deixar bem claro que curto todo tipo de jogo, o problema aqui é o momento que vivo, que não me permite ficar focado em apenas um título, principalmente aqueles com muitas horas de gameplay.

Na minha busca contínua por jogos indies me deparei com o incrível Sun Wukong VS Robot. Ele é um ótimo exemplo de como fazer um bom metroidvania, com uma duração inferior a outros games do gênero, mas com uma capacidade incrível de te prender do início ao fim.

Nele controlamos um personagem do folclore chinês, o famoso Rei Macaco. Uma criatura com habilidades marciais incríveis, que em uma belíssima cutscene enfrenta uma horda de máquinas. Ao final dela, vemos que o primata foi derrotado e aprisionado. Depois de 500 anos ele desperta, com uma tiara presa à cabeça, sendo necessário encontrar quatro pedras preciosas, para removê-la do lugar.



Gráficos simples e jogabilidade incrível

Uma das coisas que você vai notar ao jogar o Sun Wukong VS Robot é a simplicidade dos gráficos. Ele é aquele tipo de jogo que aposta no minimalismo, mas que consegue criar atmosferas diversificadas e interessantes.

Os controles são extremamente precisos e em poucos minutos você já domina os movimentos do primata. O único porém é a ausência de informações (visuais ou texto) que explicassem a compra e o uso dos power-ups. Quando me deparei pela primeira vez com um dos vasos que permitem a aquisição desses poderes, fiquei totalmente perdido.

Com relação a esses poderes, você pode comprar eles no início, mas com um custo alto ou pode adquiri-los na medida que os encontra no mapa. Logo abaixo da barra de energia temos uma barra azul, que será consumida assim que usarmos nossos poderes.

Há uma quantidade limitada de power-ups, suficientes para tornar os combates em momentos únicos. Principalmente em batalhas contra chefes. No total temos cinco bosses, mas enfrentamos dois deles ao mesmo tempo, os demais serão confrontados um por um, cada um em um ponto do mapa.



Mapa e personagens

E falando em mapa, ele é simples e objetivo. O jogo não te prende em nenhum momento e te dá a liberdade necessária para navegar por todos os lugares. Tive a infelicidade de encontrar um chefe que estava bem acima das minhas capacidades de vencê-lo. Falhei miseravelmente.

Os personagens são simples, respeitando a estética adotada no game, mesmo assim, é possível perceber pequenos detalhes no momento que as criaturas robóticas se movimentam. Um outro ponto muito interessante são as cutscenes, que ficaram maravilhosas. Eu particularmente adoro esse estilo gráfico e adoraria ver uma animação completa com esse estilo.

Esta análise só foi possível graças a EastAsiaSoft, que gentilmente nos disponibilizaram uma cópia para avaliação do jogo, fica aqui o nosso agradecimento pela confiança.



Vale a pena?

Sim, vale muito a pena. A versão que joguei foi a do Nintendo Switch.